Home ] Up ]
Matéria publicada no Site: www.joiabr.com.br

VULCANO
O DEUS GRECO-ROMANO DOS METAIS



Márcia Pompei(*)





Vulcano, ou Hefestos - como era chamado pelos gregos, foi concebido por Juno, esposa de Zeus. No entanto fora gerado apenas pela mãe, num momento de cólera, de vingança contra as infidelidades de seu poderoso marido.

Quando nasceu foi grande a decepção, seu corpo era feio e disforme, exatamente o oposto do previsto pela vaidosa Juno. Ela queria apresentar a todo o Olimpo uma linda e perfeita criança, fruto de sua solidão, envergonhando assim Zeus.

Mas ao vê-lo assim, tão apavorante, resolveu atirá-lo ao mar, sem que ninguém soubesse de seu nascimento.

No fundo do oceano Tétis e Eurínome apiedaram-se do menino e resolveram criá-lo. Aos nove anos partiu então para o seu destino. Já era nessa época um habilidoso artesão dos metais, do fogo e da forja.

Ficou conhecido entre os gregos como o artesão divino, o perfeito metalurgista.

Foi representado em pinturas e esculturas como um homem feio de longas barbas, a pele luminosa de suor, um gorro ponteagudo na cabeça, nas mãos o martelo e a tenaz.


Segundo descrições dos antigos poetas gregos Vulcano “trabalhava febrilmente em sua oficina à boca do vulcão da ilha de Lemnos.” Possuía muitos ajudantes que se utilizavam de ferramentas criadas pelo deus. Inúmeros foles alimentavam a fornalha usada no derretimento e trabalho com metais como ouro, prata, ferro e bronze. Mencionam ainda “duas servas de ouro”, feitas pelo mestre, “como se fossem mulheres vivas”, dotadas de voz e destreza manual.

Ele é o responsável pela criação e confecção da couraça de Hércules, o cetro de Agamenão, as flechas de Apolo, o escudo de Aquiles, o carro do Sol, a coroa de Ariadne, o cetro e os raios de Júpiter, e ricas jóias para as deusas.

Em certa ocasião Vulcano decide vingar-se da mãe que o rejeitou quando recém-nascido. Fabrica um lindo trono de ouro, capaz de hipnotizar os mais importantes deuses com sua beleza. O trono é enviado ao Olimpo sem destinatário. Todos os deuses se reúnem ao seu redor maravilhados com indescritível obra. Juno, a mãe de Vulcano, ouve os boatos e segue até o local onde se encontra a obra. Tão impressionada quanto os outros decide sentar-se. Ali fica por horas, admirada por todos os deuses. Mas aos poucos todos vão embora e ao anoitecer Juno sozinha tenta levantar-se. Percebe então a armadilha, fica presa e num gesto de desespero começa a gritar acordando todos do palácio, inclusive seu marido Zeus. Os deuses comparecem mas nenhum consegue quebrar o encanto do trono de ouro. Descobrem que o responsável pela armadilha foi Vulcano. Zeus pede a Baco que visite a Ilha vulcânica de Lemnos e traga o deus vingativo. Baco só consegue o intento após embriagá-lo com vinho. Após acordar Vulcano diz que só libertará a mãe se a mão de Vênus, a mais bela das imortais, lhe for dada em casamento. Após longas horas, Zeus decide acatar o pedido do deus ferreiro. Vênus se casa com Vulcano mas vinga-se do mesmo traindo-o com inúmeros deuses.

Quando ela o traiu com Marte também foi vítima de uma armadilha de Vulcano. O deus dos metais confeccionou uma fina rede e com ela envolveu os amantes durante seu encontro para poder mostrá-los assim a todos os deuses do Olimpo, comprovando a traição vergonhosa e expondo-os ao ridículo.

Vulcano produziu diversas obras metálicas, fossem para adornar e embelezar ou para proteger e vingar.

Foi ele quem fabricou a primeira mulher, Pandora.

Para o rei Minos de Creta ele criou um gigante de bronze capaz de atingir altas temperaturas e afastar inimigos da ilha. O guardião agradou ao rei e foi de grande auxílio durante longos anos.

Outra ligação costuma ser feita entre a deformidade de Vulcano e seu ofício como artesão. Na Grécia primitiva os artesãos geralmente eram homens impossibilitados de ir para a guerra, deficientes físicos entre outros. Mais tarde, por volta de 640 a.C. os artesãos passaram a ser considerados de suma importância para a economia do país. Muitos homens sadios e perfeitos começaram a dedicar-se à essa atividade cada vez mais lucrativa e respeitada.

Vê-se que a paixão pelos metais vem de longa data. Até mesmo os deuses da Mitologia, seres tão evoluídos, deixaram-se levar por tal fascínio. Como poderíamos nós, meros mortais, fugir de tal “armadilha”?

Bibliografia

Enciclopédia Mitologia
Abril Cultural - 1973


[ Índice ]

(*) Márcia Pompei - Designer de jóias e professora de joalheria e especializações
no Atelier Márcia Pompei
[ Topo da página ][ Voltar ]Home ]