[ Voltar ]Home ]

Matéria publicada no Site: www.joiabr.com.br

SÍMBOLOS POPULARES
Parte II


Márcia Pompei(*)




Na edição anterior mostramos um pouco mais de alguns elementos que fazem parte da Crendice Popular, integrantes legítimos de nossa cultura tão rica e variada.

Esses símbolos enfeitam as mais elegantes vitrines mostrando que a democracia também reina no mundo das Jóias.

Aqui você acompanha a continuação desse matéria. Vamos conhecer mais!

Ferradura – Amuleto ligado à sorte. Acredita-se que proteja contra mau-olhado e desgraças. Essa crença vem de elementos místicos ligados ao ferro, metal do qual é feita a ferradura. Na Antigüidade esse era o metal temido pelos maus espíritos. A forma da ferradura (meia-lua) também aguça a crença, visto que a lua é um forte elemento esotérico. A ferradura é usada na pata do cavalo e assim tem grande contato com a terra, fonte de vida, outro forte elemento ligado a ela.

Figa – Elemento muito popular, tem a imagem da mão com o polegar colocado entre os dedos indicador e médio. Diz-se que "fecha o corpo" de quem a usa. Tem o poder de afastar mau-olhado, esconjurar o mal, a inveja e conseqüentemente atrair bons resultados para quem a possui. É aconselhável a quem perder uma figa a não procurá-la, acredita-se que quando isso ocorre ela leve consigo todo o mal acumulado.

Fita do Senhor do Bonfim – Esse talismã baiano concede três graças a quem o adquire. A pessoa deve enrolar a fita no pulso e dar 3 nós, a cada nó é feito um pedido. Os pedidos serão concedidos quando a fita for partida, naturalmente. Ela deve permanecer no pulso até que isso ocorra ou os pedidos não serão atendidos. Pode ser encontrada em diversas cores. Há quem acredite que cada cor pode facilitar o atendimento do pedido específico como por exemplo: rosa para pedidos relacionados ao amor, branco para pedidos relacionados ao término de brigas e assim por diante. Além de conceder os pedidos essa fita traz, para quem a usa, a proteção do Senhor do Bonfim, que representa Jesus Cristo.

Anel mandala da Prudência, de Rose CarvalhoMandala – Em sânscrito seu significado é círculo. São desenhos utilizados a princípio para estimular a meditação e concentração. O centro da Mandala representa a divindade, a consciência superior. Ao redor do centro estão diversas formas que representam a personalidade humana. Pode-se dizer que é uma linguagem universal da alma. Através do desenho representa-se o interior do ser ou mesmo aquilo que se deseja alcançar. Acredita-se que a observação prolongada da Mandala estimule a alma na busca de novos horizontes. O uso de uma Mandala transmite a quem a observa uma energia, uma vibração, um estado de espírito. Dessa forma você estará sinalizando para outras pessoas como sua alma se sente, o que ela almeja. Isso pode propiciar o encontro de duas almas que tenham o mesmo objetivo.

Número Sete – É um número muito importante no universo Esotérico. Coincidência ou não são sete as cores do arco-íris, os pecados capitais, os dias da semana, os céus no Budismo, os braços do candelabro judaico, as linhas dos orixás na Umbanda, as dores de Nossa Senhora no Cristianismo. É um número de poder que deve ser usado por pessoas que necessitem elevar sua auto-estima, aumenta a confiança e segurança.

Olho de Cabra – Semente que exibe duas cores, o vermelho alaranjado e o negro, essa mistura torna-a chamativa. Esse poder a ela conferido pode ser usado como forma de "absorção" do mau-olhado, da inveja, de cargas negativas.

Olho Grego – Deve ser sempre na cor azul que filtra energias baixas, e em vidro por ser um material que apresenta rachaduras após absorver o máximo possível de energias negativas, isso faz com que seja eliminado e leve consigo tudo o que "capturou". Muito usado para proteção do lar, colocado atrás da porta de entrada. Pode ser usado também para proteção pessoal principalmente contra mau-olhado e inveja.

Pé de Coelho – Amuleto trazido ao Brasil pelos norte-americanos. Entre os povos do Sudão o coelho é tido como animal que representa a astúcia, esperteza. A pata é responsável pelo equilíbrio, firmeza, movimento. Seu uso propicia agilidade, esperteza, solução rápida para problemas complexos.

Pimenta – Seu sabor ardente e abrasador é provavelmente o maior responsável por seu uso como amuleto. A sensação desagradável no paladar propicia igual desagrado a quem a observa, afastando inveja ou más intenções. A cor vermelha de algumas espécies ajudam nesse processo à medida em que atraem pelo colorido intenso, os olhos são atraídos pela peça e a energia baixa é "dissolvida".

Pomba – Simboliza a paz, a delicadeza, a moderação. Esse pássaro já foi muito utilizado em diversas representações, nas mais variadas culturas. Foram pássaros sagrados de Afrodite (deusa do Amor), foi empregado no envio de mensagens por sua característica em reencontrar o local do ninho, no Cristianismo sua presença marca o fim do dilúvio além de representar o Espírito Santo, foi considerada pássaro da alma na Índia e na China símbolo da fidelidade conjugal. Temos aí diversas faces desse animal/símbolo para ser usada da forma que melhor atender às necessidades de cada um.

Saco de Ouro – Forte amuleto para atrair dinheiro. O metal ouro já é um forte aliado visto que sua coloração amarela e brilhante chama atenção e atrai diversas riquezas.

Pingente sapo - ouro e esmeraldas, de Lilian GranadoSapo – Seu aspecto desagradável e a secreção expelida por sua pele fez do sapo um aliado das bruxas e feiticeiras. Sua fácil reprodução possibilitou associá-lo à fertilidade, à multiplicação. Em diversas culturas associa-se também o sapo à mulher, à proteção do lar. Deve ser usado quando houver a necessidade de aumentar, multiplicar algo, seja dinheiro, fertilidade, opções etc.

Trevo de quatro folhas – Planta venerada desde a época dos Druidas. Em algumas épocas foi costume plantá-lo sobre túmulos como símbolo da renovação da vida após a morte. Busca-se muito o trevo de quatro folhas, ele é muito raro. Acredita-se que propicie boa sorte e longevidade.

Nessa matéria você teve a possibilidade de conhecer um pouco mais sobre esses elementos enigmáticos e curiosos que a sabedoria popular mantém vivos, mesmo em pleno século XXI, muitos deles desfilando aí pelas vitrines de Joalherias. Você pode "descobrir" seus próprios símbolos, criar figuras ou elos pessoais com elementos que possuam alguma ligação com seu estado de espírito ou necessidades. O importante é acreditar.

Proteção associada à beleza, não podia ser melhor!

Imagens:
Pingente sapo - ouro e esmeraldas, de Lilian Granado
Anel Mandala da Prudência, de Rose Carvalho

Bibliografia
Dicionário do Folclore Brasileiro -
(Luís da Câmara Cascudo) – editora Global
Dicionário Ilustrado de Símbolos - (Hans Biedermann) – editora Melhoramentos


[ Índice ]

[ Parte I ]

(*) Márcia Pompei - Designer de jóias e professora de joalheria e especializações
no Atelier Márcia Pompei

[ Topo da página ]Home ]