[ Voltar ]Home ]

Matéria publicada no Site: www.joiabr.com.br

COROA
A JÓIA DO PODER MÁXIMO



Márcia Pompei(*)




O dicionário a descreve como "um ornamento circular que cinge a cabeça", mas a Coroa é muito mais que isso, ela simboliza não só o poder material mas também o espiritual.

Antigas culturas, das quais se tem pouca informação, já usavam adornos de cabeça em forma de coroas com plumas, chifres e demais materiais, muito provavelmente para simbolizar o "grau de superioridade" daqueles que as usavam.

O homem começou a usar esse objeto como o ícone máximo da realeza. Cada indivíduo da hierarquia teve sua própria coroa: barão, conde, visconde, marquês, duque, príncipe e rei, cada qual com suas características e diferentes umas das outras.

Muitas nações deixaram de usar a Coroa como representação de poder e supremacia, outras a utilizam ainda hoje em ocasiões muito especiais. No entanto é raro vê-las.

Usada por longo tempo pela realeza a Coroa tem sido reestudada e empregada atualmente.

O interessante é que ela foi de certa forma preservada ao ver-se incorporada a um outro usuário: a Noiva, que também aprecia o Diadema (uma coroa "simplificada"). Ela quer chegar ao altar portando um belo exemplar que adorne sua cabeça e torne ainda mais especial esse acontecimento importante na vida da mulher. Em princípio compostas por materiais simples e baratos hoje as Coroas para noivas podem ser confeccionadas em ouro e pedras preciosas, em designs exclusivos, seguindo o estilo do vestido, as cores da decoração e a intenção da cliente. Atualmente existem profissionais e empresas que se dedicam especificamente a esse produto.

Vale a pena lembrar um Concurso recente que selecionou o trabalho de alguns designers de jóias sobre o tema Coroa para celebrar a data comemorativa de uma figura católica importante em nosso país, o Centenário de Coroação de Nossa Senhora Aparecida.

...E talvez coincidência, uma griffe importante do mundo da Moda, a Dior, mostrou num dos últimos e badalados desfiles uma coleção onde as modelos usavam coroas exageradamente grandes, criando um clima exótico e ostensivo.

Esse tão especial adorno de cabeça faz com que aquele que a usa pareça mais alto, grandioso, legitimando sua ligação a um mundo superior.

A forma circular da coroa lembra o "círculo mágico" da proteção. O círculo é também relacionado ao Infinito. As pontas que aparecem em muitas peças lembram os raios do sol, o grande astro rei. Ressaltam ainda mais a ligação do soberano ao mundo patriarcal solar. Não é mero acaso a confecção da coroa em ouro amarelo pois esse é o metal do sol. O uso das pedras preciosas eleva ainda mais a qualidade do objeto.

Governantes de todo o mundo buscaram gemas magnificamente especiais para adornar suas coroas.

São conhecidos os diamantes Koh-i-Noor de origem mongol e cuja fama é a de trazer mau presságio; o Cullinan africano que foi relapidado e batizado como Segunda Estrela da África e o rubi Príncipe Negro, todos pertencentes a coroas inglesas.

Em 1851 o diamante Estrela do Sul, pertencente à família de Santos Dumont, foi comprado por um marajá indiano para adornar sua coroa. Já o diamante Regent Diamond esteve presente na coroa de Napoleão Bonaparte, hoje desaparecido.


-----> Coroa Imperial do Estado - com mais de 3000 pedras preciosas, incluindo o diamante Cullinan II, de 317ct, pertence à monarquia inglesa


Mas a História nos mostra que mesmo coroas que não possuíram gemas extraordinárias foram tão belas quanto suas "irmãs" mais ricas, esse é o caso da Coroa feita para Charles V, rei da França no período entre 1364 a 1380. As grandes dificuldades da época impediram que pedras preciosas caras fossem colocadas na peça obrigando o uso de variadas e pequenas pedras coloridas, porém tal coroa ficou muito atrativa devido ao brilho multicor de seus minerais.

Além das pedras valorizarem a coroa elas também expressam significados místicos, buscam atrair determinadas qualidades para aquele que vai dirigir a nação. Têm a função de trazer sorte, coragem, equilíbrio, sabedoria, força, adjetivos indispensáveis ao bom líder.

Na crença cristã Maria costuma ser representada com uma coroa adornada por doze estrelas, ou doze pedras preciosas. A essas doze pedras também estão associadas as doze tribos de Israel junto ao sumo sacerdote dos hebreus.

Na Maçonaria os mártires da fé são representados coroados.

A Sinagoga, personificação do judaísmo, apresenta muitas vezes uma coroa colocada obliquamente.

Cada cultura tem seus próprios valores e crenças no que diz respeito à concepção de uma Coroa.

No Oriente uma coroa em forma de flor é associada a um grau superior de desenvolvimento, a elevação do espírito sobre a matéria.

No Antigo Egito a dupla coroa simbolizava a união do Egito Superior com o Inferior.

Entre os místicos a Coroa da Noiva está ligada também à dos Mortos, representando nos dois casos a passagem para uma nova vida, uma nova etapa.

Que grande prazer poder trabalhar e conhecer mais sobre esse "rico" universo da Joalheria que se mostra, cada vez mais, ligado às altas esferas, sejam elas de que plano forem...

Bibliografia:
Dicionário Ilustrado de Símbolos
Hans Biedermann - Editora Melhoramento

Enciclopédia de Conhecimentos Esotéricos
Alfredo Nieva - Editora Professor Francisco Valdomiro Lorenz

Web site Atelier Heráldico
atelier.heraldico.vilabol.uol.com.br


[ Índice ]

(*) Márcia Pompei - Designer de jóias e professora de joalheria e especializações
no Atelier Márcia Pompei

[ Topo da página ][ Voltar ] Home ]