Home ] Up ]
Matéria publicada no Site: www.joiabr.com.br

BALANGANDÃS
CRENÇA E MISTICISMO EM ADORNOS



Márcia Pompei(*)





Vivemos num país folclórico por natureza, rico em superstições. As jóias e bijouterias estão resgatando com muito bom gosto uma peça extremamente típica de uma cultura mestiça como a nossa, os Balangandãs.

Alguns historiadores indicam seu surgimento na Bahia. São miniaturas de objetos, sinais e símbolos originalmente confeccionados em metal, normalmente ouro ou prata. Entre eles encontramos a figa, espada, animais, búzios e frutas, reunidos em uma argola também metálica. Seu nome, Balangandã, imita o som que produziam quando eram agitados pelos movimentos do corpo de quem os usava.

Conheça os amuletos da penca de Balangandãs original, usada pelas negras:


Foto e informações da tabela: Simon Jóias
www.simonjoias.com.br

· Corrente: símbolo da escravidão. afasta mau olhado e doenças.
· Pão de Angola: símbolo da longevidade.
· Pomba: símbolo dos santos martires e devoção cristã.
· Romã: símbolo do gênero humano e fecundidade.
· Ferradura: símbolo da felicidade e sorte.
· Cabaça: Cosme e Damião - Usado para guardar água pelos escravos.
· Sol: Oxumaré - Deus do arco-íris e chuvas.
· Lua, Arco e Flexa:
Oxóssi - Deus das florestas e da caça, São Jorge.
· Caranguejo: Omolú - Deus do Sofrimento.
· Espada: Iansã - Deusa dos raios, ventos e tempestades.
· Caju ou Machado duplo: Xangô - Deus do raio, trovão, fogo e justiça.
· Peixe: Yemanjá - Deusa das águas salgadas.
· Cajado: Oxalá - Deus do ar,céu, rios e montanhas.
· Uvas ou Leque: Oxum - Deus das águas doces, fontes e cachoeiras
.

Negras escravas os usavam amarrados à cintura em dias de festa.

Acredita-se que negros vindos da região do Islã foram os responsáveis pela produção desses ornamentos, eles conheciam técnicas de fundição e trabalho dos metais. Escravos vindos dessas regiões chegaram em grandes quantidades à Bahia.

Diz-se que os Balangandãs afastam o mau-olhado e forças negativas.

Por volta dos anos 70, uma peça marcante da Joalheria se inspirou neles. Os balangandãs eram então presos em grossas correntes de pulso, tudo em ouro. Eis a tão desejada Pulseira de Berloques!
Cada miniatura era mais delicada do que a outra, meteoros, globos, carrinhos, luminárias, chupetas e acreditem, discos voadores...

Mas hoje eles estão de volta aos colos femininos, presos a cordões de couro ou correntes, nos mais diversos materiais e cores, podendo facilmente combinar com a Moda. E seguem bem de perto seus ancestrais afro-brasileiros, os símbolos são parecidos.

Um material utilizado com freqüência nos balangandãs modernos são pedras, cristais de quartzo, rosa, fumê ou mesmo em ágatas de diversas cores. E vale tudo, todas as religiões, crenças e superstições. Do crucifixo cristão, estrela de Davi, até os búzios, escaravelhos e moedas chinesas. O que importa é a fé.

Vamos conhecer alguns dos ornamentos vistos hoje no Cordão de Balangandãs, desfilados pelas brasileiras mais elegantes:

Figa: tem a forma da mão fechada com o polegar entre os dedos médio e indicador. É um forte amuleto contra o mau-olhado e inveja. Essa aparência é também interpretada como um gesto obsceno e símbolo do ato sexual. A proteção oferecida por tal peça pode ser devida à crença de que as criaturas do mal são assexuadas e temem alusões que refiram-se à sexualidade. Não se pode dizer que sejam amuletos exclusivos do Brasil, pois já foram encontrados em países da Europa central. Dizem que ela "fecha o corpo" de quem a usa.  Recomenda-se a quem perde uma  figa para que não a procure, pois ela certamente leva consigo o mal que devia cair sobre a pessoa.

Trevo de Quatro Folhas: favorece sorte no jogo, chama dinheiro, dá felicidade a quem o possui, propicia vida longa. Tantos méritos numa pequena plantinha, o problema está em encontrá-la. O trevo com 3 folhas é muito comum e utilizado em muitas crenças de antigas culturas, já o de 4 folhas é raro. Há quem diga que ele sinaliza uma união, uma encruzilhada que marca um encontro importante.

Dente: entre os guerreiros de antigas culturas simbolizavam bravura, status. Estão intimamente ligados à virilidade, fertilidade. O mais comum nos amuletos são dentes de animais, longas presas. Seu uso também afasta o Medo.

Ferradura: Traz felicidade e sorte. Afasta mau-olhado e desgraças. Três fortes elementos estão associados a esse objeto. O Ferro, metal temido pelos demônios e maus espíritos. A forma de uma Meia Lua evocando fertilidade, sensibilidade. O contato com o Cavalo, animal que simboliza força, vitalidade.

Pimenta: o ardor que proporciona ao ser consumida foi o responsável por associá-la aos símbolos da Superstição. Acredita-se que possa afastar todo o mal deixando o inimigo com um terrível gosto em sua boca e ardor em suas entranhas. A cor viva de algumas espécies são atrativas para os olhos, "puxando" toda energia ruim que possa vir desse olhar.

Chave: amuleto que tem o poder de abrir ou fechar. Pode abrir caminhos, facilitando conquistas. Diz-se que  "fecha o corpo" contra os maus espíritos. Uma chave pode simbolizar um coração fechado esperando quem o abra para o amor. Pode ser também a marca de um grande segredo guardado.

Olho Grego: o olho é o eterno símbolo da capacidade espiritual de ver. Ele também emite energias. O Olho Grego em especial é feito de vidro colorido, o mais comum é uma esfera branca com uma circunferência menor azul turquesa e uma bem pequena preta, representando a pupila. Afasta qualquer tipo de inveja. Enquanto realiza essa tarefa ele absorve tais energias, sendo assim pode se quebrar. Se isso ocorrer não se deve lastimar, ele cumpriu sua tarefa.

Mão-de-Fátima: o nome desse talismã muçulmano é uma homenagem à filha do profeta Muhammad (Maomé). Esse símbolo representa também Fé, Oração, Jejum, Caridade, Peregrinação, os 5 pilares do Islã. É a representação da Justiça e Generosidade.

Sapo: toda bruxa tem um. Pode ser associado tanto à Fertilidade quanto à Fortuna. Sua fácil reprodução e sua semelhança com o útero são os responsáveis pela associação à fertilidade. Quanto à Riqueza, diz-se que se tivermos um sapo todo o dinheiro que sai da carteira voltará para ela. Está ligado à Lua, umidade, feminino. Algumas culturas acreditavam que as pérolas surgiam das entranhas de sapos especiais. Foi usado por egípcios, antigas culturas orientais e da América Latina além dos Alquimistas e mesmo por nossos índios.

Coração: entre os 3 centros espirituais e vitais do ser humano esse é considerado aquele que equilibra os dois outros, cérebro e sexo. É o símbolo maior do Amor. Era a única víscera mantida no interior do corpo durante o processo de mumificação dos egípcios por ser considerado indispensável à conquista da eternidade. Quem usa um coração mantém acesa a chama do Amor, do carinho, do afeto.

Elefante: símbolo da força não agressiva e sabedoria. Longevidade também é um de seus atributos. Dizem que um elefante branco anunciou o nascimento do Buda. Esse protetor da família também é famoso por afastar demônios.

Moeda Chinesa: na China do século VII a.C. moedas de cobre eram gravadas com ideogramas, dois ou quatro em cada peça. Os ideogramas sozinhos já são fortes escudos contra o mal, aliados ao metal tornam-se ainda mais fortes. Acredita-se que possam afastar energias negativas e proteger contra epidemias, prolongando assim a vida.

Agora que você já conhece o poder desses símbolos todos não hesite, pendure-os e saia de cabeça erguida, certa de que estará protegida, na Moda e muito bonita!

Bibliografia:

Dicionário Ilustrado de Símbolos
Hans Biedermann - Editora Melhoramento

Enciclopédia de Conhecimentos Esotéricos
Alfredo Nieva - Editora Professor Francisco Valdomiro Lorenz

Dicionário de Magia e Esoterismo
Nevill Drury - Editora Pensamento

Dicionário do Folclore Brasileiro
Luís da Câmara Cascudo - Editora Global

Os Talismãs e seus Segredos
Nadia Julien - Editora Rideel

O Livro dos Amuletos
Gabriela Erbetta / Michelle Seddig Jorge - Publifolha


[ Índice ]

(*) Márcia Pompei - Designer de jóias e professora de joalheria e especializações
no Atelier Márcia Pompei
[ Topo da página ][ Voltar ]Home ]